Fique atento a bolha financeira vai estourar. 2017

 

O célebre investidor suíço Marc Faber, conhecido por suas projeções catastróficas e que ganhou notoriedade ao prever a estagnação do Japão na década de 1980, acredita que o mercado americano está no meio de uma gigantesca bolha e no dia em que ela estourar, investidores vão perder metade de suas aplicações.

“Há bolha em tudo”, disse Faber em entrevista recente à rede americana CNBC. “Estamos em algum lugar entre 1999 e 2000”, complementou, referindo-se à bolha da Internet e o subsequente colapso dos ativos.

Um dia essa bolha vai estourar e quando isso acontecer os investidores vão perder 50% dos seus ativos, comentou Faber. “Eu não discordo que [Donald] Trump seja bom para os mercados e a economia, mas algumas de suas declarações e ações não são favoráveis para os Estados Unidos”, disse.

De fato, concorda a reportagem da CNBC, a euforia que tem guiado o mercado desde a eleição presidencial em novembro tem desaparecido enquanto Trump se esforça para colocar em vigor muitas de suas promessas de campanha. Contudo, a maioria dos analistas ainda acredita que a tese do mercado em alta permanece intacta.

Para Faber, no entanto, o consumo americano está relativamente fraco para este estágio da recuperação econômica e prevê que, à medida que os preços dos ativos financeiros aumentem, os salários vão se desinflar e a economia dos EUA enfraquecerá ainda mais.

Faber acredita que haverá um dia em que ações das gigantes da tecnologia, como, Tesla, Amazon.com e Netflix, cairão 10% em uma única sessão. Vale menção que, em meio à forte alta desses papéis, as três contribuíram para que o Nasdaq Composite subisse quase 20% nos últimos seis meses.

Para Faber, um dos primeiros sinais de alerta sobre a mudança do humor do mercado virá do lado da volatilidade. “Eu não entendo porque a volatilidade está tão baixa, mas quando as ações subirem com volatilidade elevada, isso será um sinal de que algo mudou”, disse.

Um das formas de medir isso é a através do VIX Index (Chicago Board Options), ou o famoso “índice do medo”, que mensura a volatilidade dos mercados. Em maio, o índice registrou uma média mensal de 10,89 – a menor desde novembro de 2006, segundo o Dow Jones Data Group.

Prevendo o caos no mercado acionário, Faber aponta para investimentos em Treasuries americanos, que garantem um “certo rendimento” e, em particular, por conta da taxa de juros próxima a zero no Japão e em grande parte da Europa. Mas ele prefere ativos europeus e ouro, embora 90% de seus investimentos estejam em ações e títulos dos mercados emergentes.

 

Fonte: Infomoney

Indicação de Filme: Trabalho Interno (Inside Job)

Baseado em uma extensa pesquisa e séries de entrevistas com políticos, economistas e jornalistas, o filme revela as corrosivas relações de governantes, agentes reguladores e a Academia. “Inside Job” expõe também uma teia de mentiras e condutas criminosas que prejudicaram seriamente a vida de milhões de pessoas, principalmente por conta de cobiça, cinismo e mentiras.

“Se você não ficar revoltado ao final do filme, você não estava prestando atenção”, diz uma das frases promocionais do documentário. A revolta é clara: a principal economia do mundo mergulhou em uma forte crise, levando consigo diversas nações.

Os causadores de tudo isso já voltaram a dar “conselhos” para governos e sociedades. Ou seja, permanecem dando as cartas na mesa. Algumas das mais novas vítimas são gregos, irlandeses, espanhóis, portugueses e outros povos europeus que estão sendo “convidados” a “aceitar a ajuda do FMI”. E quem será o próximo?

Eu vi no http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/documentario-inside-job-escancara-os-podres-de-wall-street

 

Trailer do Filme